Domingo, 1 de Maio de 2011

Dia da Mãe

 

Não me foi fácil escolher um poema para assinalar este dia no nosso blog. Fiquei na dúvida entre O Menino de sua Mãe, de Fernando Pessoa, e este que vos deixo. Escolhi-o por duas razões. A de menor importância: é de um poeta próximo da minha terra. Nasceu na Póvoa da Atalaia, Fundão, muito próximo da terra da Professora Teresa Sanches, em plena Serra da Gardunha onde, por esta altura, começam a brotar as mais doces cerejas do país.

A mais importante: por vezes, quando há desentendimentos ou incompreensões, nada melhor do que falar usando citações ou as palavras de outros. Este poema é a prova viva disso mesmo. Recordo-me, como se fosse hoje, da minha mãe a ler-me e a explicar-me o sentido de cada verso de Eugénio de Andrade, quando tinha doze ou treze anos.

Mais tarde, como todos nós, cresci e quis voar. Quando as asas da minha inquieta adolescência me impeliam para outras paragens, menos serenas que o doce lar materno, ecoava amíude nos meus ouvidos um estridente "NÃO!" E eu, tentando levar água ao meu moinho, contrapunha com sábias palavras de Eugénio:

 

Mas tu esqueceste muita coisa! 
Esqueceste que as minhas pernas cresceram, 
que todo o meu corpo cresceu, 
e até o meu coração 
ficou enorme, mãe!


... e no rosto da minha mãe ficava um sorriso que tentava dissimular com um "Vai falar com o teu pai...". Enquanto me afastava da cozinha, dizia para os meus botões: "Metade da tarefa está feita, agora só me resta o mais difícil!"

Bem-haja, minha mãe, por tudo e, já agora, pela poesia, pela música e pelos livros que me deste a ler. Sem isso, certamente, não seria a pessoa que sou.  

 

 

Pedro Chorão 

 

 

 

 

 

 

No mais fundo de ti, 
eu sei que traí, mãe!

 

Tudo porque já não sou 
o retrato adormecido 
no fundo dos teus olhos!

 

Tudo porque tu ignoras 
que há leitos onde o frio não se demora 
e noites rumorosas de águas matinais!

 

Por isso, às vezes, as palavras que te digo 
são duras, mãe, 
e o nosso amor é infeliz.

 

Tudo porque perdi as rosas brancas 
que apertava junto ao coração 
no retrato da moldura!

 

Se soubesses como ainda amo as rosas, 
talvez não enchesses as horas de pesadelos...

 

Mas tu esqueceste muita coisa! 
Esqueceste que as minhas pernas cresceram, 
que todo o meu corpo cresceu, 
e até o meu coração 
ficou enorme, mãe!

 

Olha - queres ouvir-me? -, 
às vezes ainda sou o menino 
que adormeceu nos teus olhos;

 

ainda aperto contra o coração 
rosas tão brancas 
como as que tens na moldura;

 

ainda oiço a tua voz: 
"Era uma vez uma princesa 
no meio de um laranjal..."

 

Mas - tu sabes! - a noite é enorme 
e todo o meu corpo cresceu...

 

Eu saí da moldura, 
dei às aves os meus olhos a beber.

 

Não me esqueci de nada, mãe. 
Guardo a tua voz dentro de mim. 
E deixo-te as rosas...

 

publicado por rtiatpovoacao às 02:23
link do post | comentar | ver comentários (17) | favorito
Domingo, 10 de Abril de 2011

Ser Poeta, de Florbela Espanca

Ser Poeta Ser poeta é ser mais alto, é ser maior Do que os homens! Morder como quem beija! É ser mendigo e dar como quem seja Rei do Reino de Aquém e de Além Dor! É ter de mil desejos o esplendor E não saber sequer que se deseja! É ter cá dentro um astro que flameja, É ter garras e asas de condor! É ter fome, é ter sede de Infinito! Por elmo, as manhãs de oiro e de cetim... É condensar o mundo num só grito! E é amar-te, assim, perdidamente... É seres alma, e sangue, e vida em mim E dizê-lo cantando a toda a gente! Florbela Espanca
publicado por rtiatpovoacao às 18:41
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.posts recentes

. Dia da Mãe

. Ser Poeta, de Florbela Es...

.arquivos

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds